Ciclo menstrual: conheça as fases e como elas podem afetar a sua saúde 

Na imagem, podemos ver uma mulher deitada num colchão

O ciclo menstrual de uma mulher pode ser dividido em fases, que funcionam como um indicador da saúde reprodutiva da mulher. Embora cada mulher tenha particularidades em seu ciclo, ele possui em média 28 dias de duração e pode ser dividido em três fases principais. Neste artigo, falaremos sobre cada uma delas e como podem afetar a sua saúde.

Conhecer e entender cada fase do seu ciclo menstrual é muito importante, pois a mulher pode identificar possíveis alterações menstruais que merecem atenção. Como é o caso da menstruação atrasada, que é um indicativo de gravidez, mas que também pode ser associado com doenças ginecológicas.

As três fases do ciclo menstrual

O ciclo menstrual é dividido em três fases. Por mais que alguns termos possam parecer complexos, vamos explicar a seguir cada um, para que você possa entender melhor sobre como e quando ocorre cada fase. As fases possuem alterações hormonais, o que faz com que cada uma possua características específicas.

  • Fase Folicular

A primeira fase é o marco do início da menstruação. No primeiro dia de menstruação, há um aumento da produção do hormônio FSH (hormônio folículo estimulante) responsável pelo amadurecimento dos óvulos por parte do ovário. Com esse amadurecimento dos óvulos, o ovário libera grandes quantidades do hormônio estrogênio, responsável por preparar o revestimento uterino para a gravidez. Essa fase dura entre 5 e 12 dias, dependendo do tempo total de ciclo da mulher e se ela faz ou não o uso de métodos contraceptivos hormonais.

Nessa fase, que antecede a ovulação, pode ocorrer a presença de sintomas característicos, como: cólicas menstruais, dores de cabeça fortes, fadiga, aumento de frequência urinária e outros similares.

  • Fase Ovulatória

Assim que a fase folicular acaba, é iniciada a segunda fase: a fase ovulatória. Nessa fase, os níveis do hormônio estrogênio continuam aumentando, o que faz com que o corpo feminino produza o hormônio LH (hormônio Luteinizante), que é responsável por escolher o óvulo mais maduro e fazer com que ele saia do ovário, processo chamado de ovulação (e ocorre em torno do 14º dia após o início do ciclo).

Após a liberação do óvulo, ele se dirige até o útero através das trompas. Ele pode sobreviver em torno de 24h fora do ovário, e se nesse tempo ele entrar em contato com um espermatozóide, pode ocorrer a fecundação. Além disso, é importante ressaltar que um espermatozóide pode durar até cinco dias dentro do corpo feminino, por isso a mulher pode engravidar se tiver relações sexuais até cinco dias antes da ovulação.

  • Fase Lútea

A última fase do ciclo menstrual ocorre nos últimos 12 dias do ciclo menstrual. Nessa fase, o folículo (a estrutura que contém o óvulo) que foi deixado pelo óvulo começa a produzir uma grande quantidade de progesterona dentro do ovário. Isso ocorre para que haja o revestimento do útero e uma preparação para uma possível gravidez. Pode ocorrer também o aumento da produção do hormônio estrogênio, o que pode resultar durante o ciclo em uma sensibilidade nos seios, alterações de humor e até mesmo inchaço (os sintomas conhecidos como característicos da TPM – Tensão Pré Menstrual).

Se não ocorrer a fecundação com o encontro do óvulo com um espermatozóide, o folículo vai diminuindo de tamanho dentro do ovário, o que acarreta na diminuição dos hormônios progesterona e estrogênio. Com essa diminuição, o revestimento do útero vai sendo expelido, ocorrendo a menstruação e dando início ao próximo ciclo menstrual com a fase folicular.

No entanto, se o óvulo é fecundado, ele se fixa nas paredes uterinas, e há a produção do hormônio HCG, que faz com que o folículo continue produzindo grande quantidade dos hormônios progesterona e estrogênio, para que haja a formação da placenta.

Conhecer o seu ciclo menstrual é muito importante, principalmente nos casos onde a mulher deseja evitar a gravidez ou então engravidar. Existem hoje aplicativos para celular em que a mulher insere a data de sua última menstruação e a duração de seu ciclo e o aplicativo calcula as fases e indica o período fértil da mulher e qual a data esperada de sua futura menstruação. Também é possível reconhecer o período fértil por causa dos sinais característicos dessa fase, o que é importante tanto para quem quer engravidar quanto para quem quer evitar a gravidez.

Como saber qual o seu período fértil

Como explicamos anteriormente, um espermatozóide pode ficar até cinco dias dentro do corpo feminino. Isso significa que cinco dias antes da data da ovulação já há o risco de uma futura ovulação. Existem alguns sinais característicos para identificar o período fértil da mulher, ou seja, o período de maior propensão para engravidar por conta da proximidade da ovulação. Os principais sinais são:

  • Corrimento vaginal de cor transparente, similar a gema de ovo;
  • Aumento da sensibilidade dos seios;
  • Dor leve na região uterina, como se fosse uma cólica leve.

Como o ciclo pode variar, algumas mulheres podem ter uma fase folicular maior, como em casos de portadoras da síndrome de ovário policístico. Há também testes de farmácias que indicam a ovulação, usado por mulheres que desejam engravidar.

É muito importante que a mulher conheça seu ciclo menstrual, as fases dele e como ele influencia em sua saúde, não só ginecológica, mas de uma forma geral. Muitas mulheres possuem sintomas fortes na fase folicular, sendo que muitas vão até mesmo para o hospital por conta de cólicas intensas.

Há casos também em que a menstruação da mulher não segue um padrão, a chamada menstruação irregular, e isso pode ser associado com estilo de vida (como estresses e distúrbios emocionais) ou até mesmo com doenças e condições clínicas (como hipertireoidismo ou a presença de tumores nos órgãos do sistema reprodutor feminino).

É extremamente importante também que a mulher se consulte regularmente com o ginecologista e informe para ele as possíveis irregularidades de seu ciclo, para que ele possa investigar se é uma condição fisiológica de seu ciclo ou então a manifestação de uma doença. Em caso de dúvidas, procure um de nossos especialistas do Instituto Crispi.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também

Conheça outros artigos publicados pela equipe do Instituto Crispi.

Nosso blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *