O papel da nutrição no período pré, per e pós-operatório de endometriose

O primeiro contato das pacientes do Instituto Crispi com a nutricionista acontece no período pré-operatório, por meio de uma consulta presencial e individualizada, onde serão conversados aspectos relacionados à rotina alimentar e funcionamento intestinal.

Algumas pacientes costumam manifestar sintomas intestinais como diarreia ou constipação que podem estar ligados a vários fatores, dentre eles hábitos diários ou mesmo doenças ginecológicas. Sendo assim, é preciso avaliar cuidadosamente o caso, na tentativa de diagnosticar e identificar outras possíveis causas para estes sinais que podem estar sendo somados à doença primária e à piora do quadro clínico.

Sabe-se que as expectativas das pacientes quando submetidas a tratamentos cirúrgicos extensos são elevadas, por isso, identificar bem a relação entre hábitos intestinais com a doença e com a alimentação é fundamental para darmos todas as respostas necessárias. Neste contexto será feita uma avaliação nutricional completa, seguida de orientações alimentares imprescindíveis para a realização da cirurgia.

Também será avaliada a necessidade de suplementação com probiótico, proteína, vitaminas e minerais, elementos fundamentais no processo de cicatrização e estabilização da flora intestinal, o que diminui as chances de infecções e deiscências (ruptura das suturas intestinais).  Além disso, também serão dadas informações sobre preparo alimentar pré-cirúrgico, caso necessário.

O processo cirúrgico naturalmente acarreta um aumento da resposta inflamatória do corpo e, para reverter esse quadro, é de suma importância que o sistema imunológico esteja em bom funcionamento. Isso é possível por meio de um estado nutricional pré-cirúrgico adequado, com boas reservas nutricionais de vitaminas, minerais, fitoquímicos, aminoácidos e bom equilíbrio de carboidratos e gordura boas.

Sendo assim, a desnutrição (baixo peso) e/ou o excesso de peso (obesidade) estão associadas a menor resposta imunológica e piora da resposta inflamatória, fatores que também poderão interferir em todo processo de coagulação e de cicatrização fundamentais para o rápido reestabelecimento das pacientes. Partindo deste princípio, o acompanhamento nutricional se dividirá em dois momentos:

O primeiro focado em conhecer melhor as pacientes, investigando doenças preexistentes, intolerâncias ou alergias alimentares, carências nutricionais e a necessidade, ou não, do uso de suplementos. E um segundo momento, focado em colocar em prática algumas necessidades e orientá-las no preparo alimentar pré-cirúrgico (1 a 2 dias antes da cirurgia), em conjunto com a equipe da proctologia.

O chamado “preparo pré-operatório” visa equilibrar a flora intestinal, diminuindo a população de possíveis micro-organismos patogênicos que poderiam dificultar a cicatrização ou até mesmo contribuir para a deiscência (abertura da sutura). Outro objetivo é diminuir a distensão das alças intestinais, ocasionada por gases, o que dificulta muito a visão do cirurgião nas cirurgias laparoscópicas.

Após a realização da cirurgia, a nutricionista fará visitas no hospital reforçando as orientações específicas para o caso, que prezam pela melhor recuperação e tolerância alimentar. Nesse momento, pode ser necessária uma mudança na consistência dos alimentos (dieta líquida, semilíquida, pastosa ou branda).

Tudo transcorrendo bem, a próxima etapa do processo é um momento muito esperado, o da alta hospitalar! Nela as pacientes serão orientadas a manter uma boa recuperação em domicílio e será mantido o contato com orientações e opções de cardápio que irão ajudá-las. Um ponto importante a ser lembrado é que essa alta ainda não é a final, pois, com alguma frequência, é possível observar demora na evacuação e/ou constipação.

A presença de um pouco de sangue nas fezes durante a primeira evacuação é normal. O volume deve ser pequeno e pode conter coágulos (pedaços), mas não é motivo para preocupação, pois terminará espontaneamente. Apenas casos de sangramentos mais vultosos e de tom vermelho vivo é que precisam de atenção, por isso é importante informar a equipe.

Outra ocorrência comum em casa é a distensão intestinal por gases, mas as pacientes serão orientadas sobre como facilitar a eliminação dos mesmos. Lembrando que as caminhadas iniciadas no hospital deverão ser mantidas.

Para alcançar os melhores resultados possíveis, uma alimentação equilibrada contribui para uma recuperação cirúrgica mais rápida, possibilitando o retorno mais breve às atividades.

Para mais informações: 0800 020 2019

Conheça os alimentos que podem ser benéficos para pacientes com endometriose: https://youtu.be/xJf0_aJy1B8

 

Fonte: Manual de Orientações Instituto Crispi

Por: Fernanda Mululo, nutricionista.

 

 

Outras Postagens

Nam dictum pretium nunc, nec suscipit urna lacinia in. Fusce ac congue nibh. Duis ac odio ante. Cras enim ac lacus tincidunt accumsan. Nam placerat urna ut euismod viverra.

Nosso blog